quinta-feira, 10 de novembro de 2011

^^^^Cozinha modulada vale a pena??

Cozinha modulada são essas como a Itatiaia vende: você tem que adaptar os módulos na sua cozinha.
Cozinha planejada: é feito um projeto para se adaptar a sua cozinha
Minha experiência: já tive cozinha Todeschini numa casa de aluguel - PODE SER DIFERENTE HOJE EM DIA, mas na época (tem uns 8 anos) não tive bom atendimento deles: descolou uma parte do material que recobre o compensado e eu os procurei: eles disseram que não havia o que ser feito. Ou seja: eu teria de trocar toda uma cozinha só por conta da faixa que descolou porque a Todeschini não colaria...

Eu e meu marido decidimos fazer a cozinha planejada (e não a modulada) para aproveitar melhor nosso espaço. E decidimos fazer o serviço com um marceneiro e não com essas cozinhas de franquia. O marceneiro vai usar só MDF. As cozinhas de franquia usam o MDP além do MDF (mas você não sabe quanto de cada um) e nós não queremos esse tipo de material baseado no que lemos no www.reclameaqui.com.br.

Em todo o caso, ficam alguma dicas:

DICA: se você não pretende trocar a cozinha com freqüência:
1) informe-se a respeito dos materiais utilizados na confecção da cozinha, até mesmo os aramados (se são de inox, ou cromados, etc.). Precisa ser no mínimo de MDF. Tem agora o novo MDP -  poroso (e mais leve) mas resistente. Dizem que é bom, eu não conheço. O MDP é o antigo aglomerado só que muito melhorado (segundo o pessoal das cozinhas) - pois os materiais usados no aglomerado (além das partículas de madeira) são mais resistentes (ver mais abaixo em: ***).
2) escolha um acabamento que nunca sai de linha, porque se você tiver de fazer alguma manutenção, é fácil de encontrar. Normalmente toda linha tem um padrão de cor e textura que nunca sai de linha, e que geralmente é o branco fosco e sem textura. E em termos dos cantos da peças, o acabamento que raramente sai de linha é o reto (o reto nunca sai de linha porque é o mais fácil de fazer e também porque dá para ser feito com o MDP. Acabamentos redondos só são possíveis de serem feitos com MDF).
NOTA: o material MDP não permite nenhum tipo de acabamento arredondado, só o reto.

Para maiores esclarecimentos, consulte o WWW.RECLAMEAQUI.COM.BR. 
Tem lá reclamações de material que se "desfaz" (pois é pó de madeira - ou seja, aglomerado) com apenas 4 meses de uso - os parafusos se soltam porque os buracos vão ficando largas). Tem sobre a Criare, Todeschini... As reclamações são sérias: as lojas montadoras das cozinhas dão garantia, mas quando o material se desfaz eles falam que a culpa é do fabricante do material. O fabricante não se responsabiliza também e ninguém resolve a questão. Fica um jogo de empurra-empurra.


Acabamento reto é como o exemplo abaixo: as quinas são retas.
http://sofotos.org/fotos-de-cozinhas-planejadas
Cozinhas de apartamentos
Cozinha moderna com bancada

Arredondadas:
Cozinha moderna de madeira

*** http://www.schneidercozinhas.com.br/curiosidade/3/mdf-ou-mdp---saiba-a-diferenca-!.htm
MDP

O MDP é um painel de madeira industrializada, assim como o Compensado, o MDF e o OSB.
O MDP é resultado do uso intensivo de tecnologia de prensas contínuas, de modernos classificadores de partículas e complexos softwares de controle de processo, associado à utilização de resinas de última geração e madeira de florestas plantadas.
Por isso, o MDP pertence a uma nova geração de Painéis de Partículas de média Densidade com características superiores e totalmente distintas dos painéis de madeira aglomerada de antigamente.
MDP é a abreviação de ou Painel de Partículas de Média Densidade.
O MDP é especialmente indicado para a produção de móveis residenciais e comerciais de linhas retas, formas ogânicas, que não exijam usinagens em baixo relevo, entalhes ou cantos arredondados.

Principais aplicações:
. Portas retas
. Laterais de móveis
. Prateleiras
. Divisórias
. Tampos retos
. Tampos pós-formados
. Base superior e inferior
. Frentes e laterais de gaveta

(NO FINAL DA POSTAGEM COLEI UM TEXTO ENORME FALANDO DO MDP E MDF).

Só para dar uma idéia de preço:
A Criare é uma marca intermediária hoje em dia. A estrutura interna é de MDF e MDP.
As quatro próximas imagens correspondem a um único projeto - este primeiro fica em torno de R$ 9000,00. A cozinha tem em torno de 3mx3m. Não estão incluídos no preço as bancadas de granito, as pias, a geladeira, o fogão e nem as banquetas. Embaixo da pia há dois gavetões em aramado.
PROJETO 1



PROJETO 2:
As quatro próximas imagens correspondem ao projeto 2 - que fica em torno de R$ 7000,00. É a mesma cozinha do projeto anterior (3mx3m). Não estão incluídos no preço as bancadas de granito, as pias, a geladeira, o fogão, e nem o microondas e a máquina de lavar. Ela só tem aramado ao lado do fogão - é uma estrutura para acomodar óleo, sal, temperos etc.






http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080601143749AA0L8Mm

Eu consigo comprar uma cozinha planejada para que fique bem bonita com uns 5 mil reais, já com o granito?

Melhor resposta - Escolhida pelo autor da pergunta

ACREDITO QUE SIM, MAS HÁ COZINHAS E COZINHAS, E MATERIAIS E MATERIAIS.

BONITA, COM CERTEZA. DE BOA QUALIDADE, TENHO SÉRIAS DÚVIDAS.

Já desenhei, projetei e construí algumas centenas de cozinhas nos últimos 25 anos, na minha marcenaria, e diria que é possível, desde que se saiba o que se está fazendo.
(SOU ARQUITETO, mas dono de marcenaria)

Uma cozinha planejada, tanto pode ser modulada ou sob medida.
Planejada, significa pensada em cada detalhe, não ao Deus Dará. Tanto uma cozinha modulada quanto uma feita sob medida são planejadas. Mas há boas diferenças.

Uma sob medida, é feita do jeito e material e projeto que o cliente quer. Modulada, só no módulo e tamanho que o sujeito fabrica. Se você quiser em cor ou material diferente o modulado não faz.
Um sob medida se adapta a qualquer espaço. O Modulado, só naquelas medidas. O que faltar, é completado com arremates e guarnições.

E, há cozinhas e cozinhas. Uma cozinha planejada em aglomerado, raramente tem boa resist|ência.

O pior material utilizado é o aglomerado. Um juntado de cavacos, pó de serra, bagaço de cana, de onde se extrai uma chapa de material de baixa qualidade, que estufa em presença de àgua, se você desmontar uma vez, quando for remontar os parafusos espanam, as peças não se encaixam com a mesma precisão, etc. É o material da maioria das cozinhas moduladas, ou seja, que são fabricadas aos montes e que tem muita propaganda na televisão.

Uma cozinha em aglomerado da Marabrás, Casas Bahia, e lojas populares, mesmo grandes, devem custar abaixo de 5 mil reais, mas a qualidade é sofrível. Quem tem uma sabe.

Um aglomerado como da Dellano, Todeschinni, Dozil, Kitchens, tem visual bonito. Pena que sejam em aglomerado.
A durabilidade é sofrivel. Em presença de umidade, um desastre. Já refiz dezenas de cozinhas dessas marcas (entre outras) todas detonadas em presença de àgua.
Poderiam fazer pelo menos em MDF.

Aglomerados, como chapa, tem preço muito baixo, e qualidade idem.

Já, as cozinhas em aglomerado, não necessáriamente. Tem cozinhas de aglomerado muito caras, embora o material seja barato e chinfrim.
Se eles tem loja em Shopping, propaganda na TV com artista Global, vendedor, gerente, manutenção de loja, propaganda de uma página em revista de circulação nacional, tudo isso CUSTA MUITO BOM DINHEIRO. Para compensar esses gastos, usam material baratíssimo, mas com boa maquiagem para parecerem ser coisa boa. O AGLOMERADO se presta para isso.

O MDF, é um material intermediário. Para partes que não serão molhadas, como um armário suspenso ou um paneleiro, servem. Para o gabinete da pia, só faço em compensado NAVAL. É o que melhor resiste à àgua.

Os compensados são geralmente usados pelas marcenarias. Não pela loja cozinha, de material pronto e modulado.
Marcenarias costumam ser "canistas". (dão cano e atrazam)

Não entregam em dia, em sua maioria. Nossa marcenaria tem práticamente zero de atrazo, o que é muito raro, mas sempre damos prazo bem dilatado para fazê-los.

Mas, o material de qualquer marcenaria, da pior dela, por ser compensado, é sempre MUUUUUIIIIIITO MAIS MATERIAL que qualquer aglomerado. Um aglomerado pode durar anos. Uma cozinha em compensado e fórmica, pode durar séculos. E séculos não é forma de expressão. É séculos mesmo. Um plástico, (fórmica) pode durar mais de mil anos para ser destruído pela natureza, se for enterrado.
Um copinho de plástico ou uma garrafa PET dura mais ou menos isso.

Uma cozinha boa, vai custar em torno de R$ 500,00 e R$ 950,00 o metro quadrado. Se sua cozinha tiver dez metros de área de armário, por exemplo, vai custar entre cinco mil e nove mil e quinhentos. Pode ser mais (cozinha empetecada ou de griffe) ou menos, (de loja popular em aglomerado)mas isso depende de uma série de fatores que precisam ser levados em conta.
Só que para isso seria preciso analisar o projeto.

Sem projeto, nada feito.
MANDE SEU PROJETO QUE EU LHE DIGO QUANTO CUSTA.

ORÇAMENTO SE CALCULA. NÃO SE CHUTA.
(gente responsável procede assim)
para isso necessita-se sempre do projeto.

nosso site: http://www.palfermarcenaria.com.br











http://www.papodearquiteto.com/2010/06/10/diferencas-entre-mdp-e-mdf/

Diferenças entre MDP e MDF

Enviado por  em Quinta-feira, 10 Junho 201010 Comments
Com as aplicações do Promob Arch, o profissional faz adocumentação técnica e arenderização, gerando projetos com imagens quase reais, com um único programa. O software ainda possibilita a criação de animações que simulam um passeio virtual pelo ambiente projetado

MDF ou MDP – Saiba a diferença !

Se MDF e MDP são painéis produzidos a partir do pinus ou eucalipto e, se ambos possuem densidade média e valores tecnológicos similares, qual é o melhor na fabricação de móveis? Segundo os fabricantes de painéis, não existe painel melhor ou pior, mas diferenças técnicas que determinam, limitando ou expandido as possibilidades de aplicação, dependendo do uso que cada indústria quer fazer do produto.
A principal diferença entre o MDP e o MDF é que no painel de MDP são utilizadas partículas de madeira em camadas, ficando as mais finas nas superfícies e as mais grossas no miolo. Já no MDF aglutinam-se fibras de madeira. Porém, ambos são classificados como painéis de madeira de média densidade.

As diferenças

O MDF permite mais criatividade no design do móvel, que pode receber formas arredondadas e com riqueza de contornos. Isso pode conferir ao móvel maior valor comercial. Ele recebe mais facilmente a aplicação tanto de pintura como de PVC. É recomendado para os casos que necessitem de usinagens de superfície ou topo, pois ele proporciona melhor resultado de acabamento. Usinagens em baixo relevo, entalhes ou cantos arredondados também pedem MDF.
De uso limitado, o MDP é mundialmente mais utilizado na fabricação de móveis residências e comerciais de linhas retas e formas orgânicas, como portas, laterais, prateleiras, divisórias, tampos retos ou pós-formados, laterais e frentes de gavetas retas, enfim, em partes verticais e horizontais do móvel, sem restrições de uso.
José Marcos Trad, diretor de Marketing da Satipel, explica essa diferença em termos técnicos. “A principal diferença é que no painel de MDP são utilizadas partículas de madeira em camadas, ficando as mais finas na superfície e as mais delgadas no miolo. Já no MDF, aglutinam-se fibras de madeira. Porém, ambos são classificados como Painéis de Madeira de Média Densidade”.
Em termos práticos, segundo Andréa Krause, gerente de Marketing da Indústria Moveleira da Eucatex “o MDF, por ser fabricado com fibras, necessita de mais madeira e de mais resina no seu processo, portanto o seu custo é superior, de 25% a 50% em relação ao MDP”.
MDF e MDP no mesmo móvel
E já que cada um tem melhor aplicabilidade em tipos diferentes de móveis, a união dos dois pode dar um resultado bem interessante. Em móveis cuja estrutura principal precisa ser reta, mas pode-se abusar da criatividade no acabamento externo, como armário, por exemplo, a união dos dois é perfeitamente aceitável. Dessa forma a limitação do MDP pode ser compensada com as possibilidades criativas do MDF. E essa junção ainda reduz os custos do produto final. Para o William Chiea, supervisor Comercial da Montana Química, “esta diversidade de painéis pode ser utilizada pelo fabricante de móveis de forma estratégica, como uma nova fonte de recursos para fabricação do móvel, tornando-se menos dependente de um único fornecedor, de um único produto ou até mesmo de demanda para exportação”.
Essa união pode ser lucrativa para a indústria de móveis. Vejamos, as partes maiores dos móveis são estruturados em linha reta. Isso significa que as fábricas podem utilizar mais o MDP, que é um produto mais econômico. A combinação disso com o MDF e compensado faz com que o fabricante tenha um móvel com preço mais competitivo e, o mais importante, com garantia de qualidade. “Nós recomendamos ao fabricante aliar o design às características técnicas dos painéis disponíveis para a fabricação do móvel, buscando sempre a melhor relação custo-benefício para garantir a competitividade do produto final”, diz Trad.
Andréa Krause reforça essa teoria dizendo que “a opção de trabalhar com uma ou outra matéria-prima está mais associada ao design do produto que se pretende obter e a estratégia de Marketing. Hoje, observam-se espaço para ambos os produtos no mercado, porém a melhor relação custo-benefício fica por conta do MDP, que é mais barato”.
Com a palavra, os fabricantes de móveis
Uma coisa é ter a opção de uso, outra é usar efetivamente os painéis. Cláudio Gumieiro, proprietário da Prospectus Móveis conheceu a proposta dos fabricantes de painéis de que o MDP seria um intermediário entre MDF e o Aglomerado, tanto na densidade e na absorção de umidade, como no preço.
A Prospectus trabalha com dois segmentos: residencial de alto padrão e corporativo. Ele esclarece que, devido à rigorosa exigência do mercado residencial, trabalham preferencialmente com MDF cru ou MDF BP, pois nem sempre o preço é fator preponderante para a realização dos negócios. Já no corporativo, onde o fator preço é determinante, trabalham um misto de madeira, compensado e MDF cru ou MDF BP. Cláudio admite “não fizemos ainda nenhum teste com o painel MDP, mas acreditamos que, pelas características apresentadas, poderá ser muito bem aceito no mercado corporativo”.
Luciano, da Marcenaria Nossa Senhora da Paz, também conhece apenas de ouvir falar das propriedades do MDP. Ele tem a informação de o painel de MDP empena menos e recebe bem as aplicações de pintura. “Mas não usamos”, declara. Na Nossa Senhora da Paz se utiliza o MDF revestido, que segundo ele, é mais prático e torna a produção mais rápida.
E para o consumidor?
É consenso entre os fabricantes de painéis que consumidor, independente da classe social, procura uma solução funcional e de design quando está buscando um novo móvel. Ele não está procurando uma matéria prima específica, mas sim um móvel que atenda às suas necessidades com qualidade e ao menor preço possível. Por isso, a combinação de vários materiais na produção de móveis tais como vidro, alumínio, madeira maciça ou painéis de madeira industrializada, precisam resultar num produto que acrescente em qualidade e funcionalidade. Sempre haverá uma diferença de preços que pode ser absorvida ou não pelo consumidor. Ao falarmos de valores nos tópicos acima, a referencia feita pelos entrevistados é para os fabricantes dos móveis, pois, para o consumidor final, a leitura é outra. A estratégia de preço está associada ao mercado de atuação e posicionamento da marca. Existem no mercado marcas consagradas de móveis que optaram pelo uso do MDF e outras pelo uso do MDP, porém não quer dizer que uma seja mais cara que a outra, elas praticam preços similares, afinal, quem define o preço final do produto é o mercado.
O moveleiro não deve vender ao consumidor a idéia de que um produto é superior ao outro só pela aparência. Lojistas e representantes comerciais precisam ser bem treinados para falar tecnicamente dos atributos do produto.

[+ Informações]

O MDP e o MDF são produzidos através de idênticos processos de fabricação e tecnologia, exceto quanto à produção de partículas no MDP e fibras no MDF. Adicionalmente, os dois processos utilizam as mesmas espécies de madeira, totalmente originárias de florestas plantadas.
Uma outra diferença refere-se à aplicação final dos produtos.
O MDP e o MDF, por utilizarem madeira proveniente de áreas de reflorestamentos, manejadas de forma ambientalmente correta, economicamente viável e socialmente justa, são sim produtos altamente ecológicos. No entanto, se considerarmos que o consumo de madeira para a fabricação do MDP é menor que na fabricação do MDF, podemos dizer que, entre os dois, o MDP é mais ecológico.

MDF

MDF é uma sigla em inglês que significa “Medium Density Fiberboard” que, traduzindo para o português, quer dizer “chapa de fibra de madeira de média densidade”. O MDF se diferencia do outro painel também feito com fibra de madeira – a “chapa de fibra”.
As diferenças entre MDF e chapa de fibra estão no processo produtivo, no tipo de resina e no fato de o MDF ter as faces com maior densidade que a camada interna.

Características:

O MDF é praticamente equivalente à madeira nas possibilidades de trabalhar a matéria-prima. Os painéis são superfícies grandes perfeitamente homogêneas e sem orientação das fibras, o que permite cortes em qualquer sentido e apresentação de superfície lisa e uniforme ao toque.

Vantagens:

- Comporta aplicação de todos os tipos de revestimentos, desde pintura/impressão até papéis impressos
ou unicolores e lâminas de madeira.
- É praticamente equivalente à madeira em termos de trabalhabilidade.
- O fato de ser um painel de fibras não-orientadas permite que seja cortado em qualquer sentido.
- Suas fibras possibilitam trabalhos de usinagem muito precisos, furação e uma ampla gama de acabamentos.
- Apresenta grande resistência e não sofre com a variação de temperatura.
- Resistente à abrasão.
- Ecologicamente correto: produzido com madeira reflorestada.

Desvantagens:

Assim como os demais painéis de madeira e como a própria madeira, é vulnerável a ambientes úmidos.
Em tais condições, superfície e topo devem ser recobertos ou protegidos.

MDP

O MDP é um painel de madeira industrializada, assim como o Compensado, o MDF e o OSB.
O MDP é resultado do uso intensivo de tecnologia de prensas contínuas, de modernos classificadores de partículas e complexos softwares de controle de processo, associado à utilização de resinas de última geração e madeira de florestas plantadas.
Por isso, o MDP pertence a uma nova geração de Painéis de Partículas de média Densidade com características superiores e totalmente distintas dos painéis de madeira aglomerada de antigamente.
MDP é a abreviação de ou Painel de Partículas de Média Densidade.
O MDP é especialmente indicado para a produção de móveis residenciais e comerciais de linhas retas, formas ogânicas, que não exijam usinagens em baixo relevo, entalhes ou cantos arredondados.

Principais aplicações:

. Portas retas
. Laterais de móveis
. Prateleiras
. Divisórias
. Tampos retos
. Tampos pós-formados
. Base superior e inferior
. Frentes e laterais de gaveta

Características:

. Alta densidade das camadas superficiais, assegurando um acabamento superior nos processos de impressão, pintura e revestimentos.
. Produção com o conceito de 3 camadas: colchão de partículas no miolo e camadas finas nas superfícies.
. Homogeneidade e grande uniformidade das partículas das camadas externas e internas.
. Propriedades mecânicas superiores: melhor resistência ao arrancamento de parafuso, menor absorção de umidade e empenamento.
. Utilização de resinas especiais de última geração.
. Utilização de madeiras selecionadas provenientes de florestas plantadas, econômica e ecologicamente sustentáveis.

Vantagens:

Para se ter competitividade num produto, um móvel precisa aliar seu estilo e desenho às características técnicas dos painéis disponíveis. O MDP, painel de madeira mais utilizado no mundo, proporciona tudo isso na fabricação de móveis residenciais e comerciais.
Sozinho ou junto de outros tipos de painéis, um móvel que utiliza MDP em sua estrutura, será sempre mais econômico e competitivo, perto de móveis feitos com outras matérias-primas similares como o MDF, e ainda oferecerá melhor garantia e qualidade.

Desvantagens:

Assim como os demais painéis de madeira e como a própria madeira, é vulnerável a ambientes úmidos.
Em tais condições, superfície e topo devem ser recobertos ou protegidos.




2 comentários:

  1. Ops, acabei de achar essa matéria. Muito detalhista e com ótimos esclarecimentos. Obrigada pelo seu tempo. Infelizmente, o site da marcenaria não abre mais e não sei se poderia me indicar aqui o seu marcineiro. Agradeço de qq modo.

    ResponderExcluir